EFA - Educação e Formação de Adultos

Costureiro/a Modista - EFA Tecnológico

 voltar
DATA Prevista
2021-06-07 - 2022-06-30

HORÁRIO
2ª a 6ª das 9:00 às 17:00.

Duração
1010h

Centro de formação
Porto

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO
- Motivação e interesse para a área
- Provas de avaliação de competências
- Data de inscrição - Inscrições até 24/05/2021.

Todos candidatos a ações de formação no MODATEX passam por processo de orientação e aconselhamento vocacional. Clique em Centro Qualifica no menu Formação/Certificação para mais informações.

Apoios Sociais
A aplicar a desempregados:
- Bolsa de formação: Valor pago por hora assistida até ao máximo de 30% do IAS
- Subsídio de alimentação: 4,77 € / dia (Frequência mínima de 3 horas)
- Subsídio de acolhimento: até ao máximo de 50% do IAS.
- Despesas de transporte: valor do transporte público ou subsídio de transporte: até ao máximo de 15% do IAS.

Nota: O valor total dos apoios pagos nas rubricas referentes ao subsídio de alimentação, subsídio de acolhimento e despesa ou subsídio de transporte tem o limite máximo de 75% do IAS.

Refª da ação
91P203E04972101

Nota: o MODATEX reserva-se o direito de alterar datas de realização do curso mediante o nº de inscrições.

OBJECTIVOS

O/A Costureira Modista é o/a profissional que, através da interpretação de desenhos e elaboração dos respectivos moldes e corte do tecido, procede à confecção de peças de vestuário, nomeadamente camisas, calças, saias, vestidos e casacos


Resultados de Aprendizagem

Actividades Principais:


- Preparar e organizar o trabalho a fim de efectuar as operações de modelação, corte e confecção relativas à execução de artigos de vestuário.

- Executar a modelação e o corte de componentes de artigos de vestuário, utilizando os equipamentos, as ferramentas e os procedimentos adequados.

- Executar a confecção de componentes e de artigos de vestuário, utilizando os equipamentos, as ferramentas e os procedimentos adequados.

- Efectuar o controlo de qualidade dos artigos de vestuário confeccionados, verificando a sua conformidade com as especificações técnicas e caso seja necessário, proceder aos acertos adequados.

- Registar informações de carácter técnico, relativas à sua actividade.


Destinatários

Os critérios de admissão são a idade e a habilitação escolar, definidos no item "Destinatários".
A selecção dos candidatos cumpre os requisitos da Instrução de Trabalho - Orientação Profissional e Seleção de candidatos.


Metodologias

Os princípios orientadores dos cursos EFA - designadamente, o reconhecimento, validação e certificação de competências previamente adquiridas, a
integração das componentes de formação de base e tecnológica e o desenvolvimento de processos reflexivos - pressupõem a implementação de um
quadro metodológico, baseado em estratégias pedagógicas flexíveis e na valorização das experiências de vida dos adultos, facilitador da aquisição e
desenvolvimento de competências.
É neste enquadramento que se justifica o desenvolvimento dos Temas de Vida nos cursos EFA de nível básico e da área de PRA nos cursos EFA de nível
secundário.
As metodologias de formação sustentam-se em actividades integradoras, que apelam a competências já detidas pelos adultos e promovem a aquisição de
novas, desenvolvendo capacidades de investigação, reflexão, análise crítica e resolução de problemas, num quadro de reconhecimento da aplicabilidade
das aprendizagens realizadas.
Com a alteração do modelo de formação, sendo que a avaliação é uma dimensão intrínseca de qualquer projecto formativo, torna-se necessário
considerar um modelo de avaliação coerente com o modelo de formação.
A identificação do(s) tema(s) de vida é feita pelos adultos, a partir das suas histórias de vida, no âmbito do módulo Aprender com Autonomia e
dinamizado pelo Mediador, com a colaboração dos restantes formadores.
O desenvolvimento do tema pode ser individual ou em grupo e deve permitir o estabelecimento de dinâmicas de formação centradas em actividades
integradoras que convoquem competências associadas aos diferentes domínios do saber e que envolvam a participação activa de diferentes formadores.
A avaliação do resultado dos trabalhos desenvolvidos, face à natureza complexa que apresenta deve implicar, igualmente, a participação dos diferentes
formadores.
O PRA é o instrumento que melhor responde a este modelo de formação de adultos e às novas correntes pedagógicas, uma vez que requer dos formandos
a descrição e a reflexão do trabalho desenvolvido e a demonstração das competências adquiridas durante a formação, sendo, por isso, o que mais os
envolve e responsabiliza no próprio processo formativo.
O portefólio é um documento pessoal, de construção contínua, que implica a elaboração, a reflexão e a reelaboração de textos, trabalhos e exercícios,
que deve incluir as notas, os comentários e as reflexões que evidenciam a identificação dos problemas e a forma como foram superados, num quadro de
progressão e consolidação de aprendizagens.
Este documento visa, assim, apresentar e reflectir sobre as evidências da aprendizagem efectuada e permitir o diálogo e a interacção entre formandos,
Mediador e formadores, auxiliando os formandos na compreensão dos critérios de avaliação e esclarecendo os formadores sobre a selecção e priorização
de informações de retorno e orientação a dar aos formandos (sublinhando o carácter formativo da avaliação).
Esta metodologia reafirma, ainda, a importância da função do formador nomeadamente ao nível da autonomia, da responsabilidade e da capacidade de
reflectir na e sobre a sua acção com o objectivo de responder adequadamente aos princípios subjacentes ao modelo de funcionamento e de organização
dos cursos EFA.


Os recursos didácticos constituem o suporte fundamental para a aplicação dos métodos pedagógicos, principalmente no que respeita aos métodos
activos, para o acompanhamento personalizado da progressão dos formandos e para a adaptação do processo formativo ao perfil e ao ritmo de
aprendizagem individual.
Os recursos didácticos deverão ser desenvolvidos pelos formadores ou adquiridos pelo MODATEX.


Avaliação

Os critérios de avaliação são comunicados pelo formador no inicio da formação e específicos para cada ação.
A avaliação de conhecimentos dos formandos é realizada no final de cada Unidade.
A atribuição da categoria Com aproveitamento é feita em função do formando ter atingido uma avaliação quantitativa
superior ou igual a 10, ou uma avaliação qualitativa designada "Validado".


Certificação

Para efeitos de conclusão da formação com aproveitamento e posterior certificação, a assiduidade não pode ser inferior a 90% da carga horária total (da
unidade de formação, quando desenvolvida autonomamente, ou do percurso).
No que respeita à certificação, podem emitir-se, os seguintes documentos:
Certificado de Formação - Emitido quando os formandos concluem com aproveitamento todos os modulos da Acção.
Declaração de Frequência - Emitida a pedido do formando nas situações em que este desiste ou conclui uma acção de formação sem aproveitamento.
- Os certificados de qualificações e diplomas são emitidos através do SIGO (com excepção para a certificação dos percursos de certificação profissional,
funcionalidade que estará disponível a curto prazo. Até que esta condição se verifique devem ser emitidos fora daquele sistema).
- Os diplomas são impressos no modelo n.º 1917 da Imprensa Nacional - Casa da Moeda.
- Os documentos de certificação são emitidos no Centro de Formação Profissional e assinados pelo respectivo Director, não carecendo de homologação.


Condições de acesso

Habilitações

9º ano


Idade

Igual ou superior a 18


Situação face ao emprego

Desempregado