voltar

19 Apr, 2021

Ana Rita de Sousa vence concurso Sangue Novo da Moda Lisboa

Ana Rita de Sousa venceu o concurso “Sangue Novo” da 56ª edição da Moda Lisboa, destinado a finalistas de cursos de Design de Moda e jovens designers em início de carreira.

Com o projeto ARNDES, a ex-formanda do curso de Design de Moda do MODATEX Porto, recebeu um Master em Fashion Design na POLIMODA, instituição de ensino pertencente ao top 10 no ranking mundial de Escolas de Moda, pelo conceituado site Business of Fashion (https://www.businessoffashion.com/) e arrecadou um prémio monetário de 3500€.

A coleção da designer de moda - MONOPRINT - tem como inspiração o trabalho de Eben Goff e manifesta-se na experimentação e desconstrução da sensibilidade de peças de vestuário clássicas. Uma nova interpretação do artista Eben Goff, que expôs uma série de trabalhos sobre a degradação do meio ambiente pela humanidade, o poder visual dos materiais elementares, a abstração e as ressonâncias entre formas naturais e artificiais. A coleção de ARNDES é um exercício estético que evoca a linguagem formal do modernismo e do minimalismo.

O júri era constituído por Miguel Flor (presidente do júri, criativo de moda e arte, diretor da revista Principal e vencedor do concurso Sangue Novo em 1996), Rosário de Mello e Castro (jornalista e editora de títulos como a Vogue Portugal e Visão e atual diretora da Máxima), Ricardo Andrez (designer de Moda com várias presenças internacionais, integra o calendário oficial da ModaLisboa desde 2010), a quem se juntaram Adriano Batista (Diretor da Fucking Young), Massimiliano Giornetti (Diretor da Polimoda) e Ricardo Silva (CEO da Tintex Textiles).

Para além de Ana Rita de Sousa, o MODATEX esteve ainda representado por Ari Paiva (ex-formando do curso de Design de Moda) e Andreia Romão (formanda do 2º ano do curso de Design de Moda).

Ari Paiva com a sua coleção "Liberdade Desejada" fala sobre o inconformismo, sobre a insatisfação, sobre o rompimento abrupto com o que o hoje impõe: a realidade ditada pela sociedade, os padrões de beleza e comportamentais, o radicalismo religioso. É nessa linha de raciocínio que a coleção de Ari Paiva vai beber das influências estéticas do Punk e New Wave, desconstruindo o guarda-roupa clássico e erguendo um manifesto. Há, por isso, patchwork, bainhas desfeitas, padrões aleatórios, correntes,

pins, tachas, num desfile de elementos vivos, vibrantes e excessivos.

A coleção Love me to Eternity de Andreia Reimão é uma carta de amor a um mundo utópico. Apoia-se em referências como Barbara Levine (que reuniu fotografias de pessoas a beijarem-se nos últimos 100 anos, sem olhar a etnia, género ou idade), Nick Sethi e Senil Gupta (que fotografaram pessoas que viveram neste mundo apenas por momentos) e no estúdio Brieditis & Evan (trabalha técnicas têxteis de todo o mundo sob uma lógica de consciência ambiental). Tudo isto materializa-se numa visão ingénua de uma realidade possível.

 

As coleções podem ser consultadas em

www.modalisboa.pt/pt/sanguenovo/modalisboacomunidade.

 

O MODATEX deseja a todos os seus formandos os maiores sucessos!